O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre? A Execute mostra a você!

O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre? A Execute mostra a você!

Artigo assinado por Amanda Cecere, engenheira e sócia-fundadora da Execute

O primeiro semestre do ano foi marcado por uma série de desafios para os mais diversos segmentos do mercado. Devido à pandemia mundial  da COVID-19, diferentes empresas, marcas e negócios foram impactados e passam por reformulações em busca de recuperação. No mercado imobiliário, o cenário não é muito diferente, embora ainda seja promissor para 2020

A expectativa do início do ano de retomada do setor continua presente. Desde 2017, indicadores mostram a gradual reação do mercado imobiliário frente ao cenário econômico. Atualmente, os estímulos à retirada de crédito com os menores juros já praticados no Brasil e os períodos de carência para realização de financiamentos imobiliários mostram que a aposta no segmento imobiliário é a escolha que oferece maiores vantagens para quem investe.

Pensando nisso, separei para você em alguns tópicos o que podemos esperar do mercado imobiliário no segundo semestre de 2020. Vamos conferir?

Reaquecimento do mercado imobiliário

A tendência de crescimento do mercado imobiliário nos últimos anos estava bem visível nos números do setor, sobretudo nos produtos de alto padrão. A título de exemplo, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon – SP) e a Fundação Getúlio Vargas, o crescimento do PIB no setor foi de 2% em 2019 — o que significou uma quebra da sequência negativa dos anos da crise. 

O clima positivo entusiasmou investidores no começo do ano, mas, como sabemos, a pandemia do novo coronavírus gerou muita insegurança em quem investe. No entanto, como alguns prognósticos realizados por especialistas têm nos mostrado, o mercado imobiliário deve manter um patamar de crescimento, impulsionado pela demanda e pelos estímulos de juros baixos e facilidades no pagamento financiado.

A Taxa Selic, ferramenta utilizada pelo Banco Central para a realização das políticas monetárias de controle inflacionário, cuja influência atinge todas as taxas de juros do país, como as de empréstimos, de financiamentos e de aplicações, está, atualmente, em 2,25% — número nunca antes registrado na história —, e com tendência a cair ainda mais. Isso significa que financiar um imóvel está mais barato, o que na prática revela a vantagem de investir no mercado imobiliário neste momento, na medida em que a compra nunca foi tão facilitada.

Além disso, instituições financeiras como a Caixa Econômica Federal também injetaram estímulos no mercado imobiliário. Com extensão maior nos prazos de pagamento dos financiamentos, facilita-se a aquisição do bem. Assim, conforme a economia for retomando o passo, o imóvel segue com uma tendência à valorização, o que acaba por aumentar consideravelmente a rentabilidade do investimento.

Novos modelos de negócios

No segundo semestre de 2020, a tendência é a retomada gradual do patamar de 2019, no qual o estímulo à venda também incentivou a criatividade dos negócios. Atualmente, com os recursos dos aplicativos digitais, a relação de aluguel modificou a intenção dos investimentos. Isso porque a rentabilidade na locação por temporada é maior do que o aluguel convencional. Com isso, muitos investidores adquirem imóveis para ofertá-los temporariamente por plataformas como o Airbnb, garantindo um negócio mais lucrativo e atraente. 

Por isso, é muito importante que o investidor se atenha antes da aquisição do imóvel à possibilidade do empreendimento se adequar às características do aluguel de curta temporada, pois muitos prédios não são preparados para esse tipo de uso, podendo gerar dores de cabeça no futuro. Portanto, para garantir um investimento que renda mais, com rapidez e segurança, é importante comprar um imóvel que seja planejado para esse fim. Já existem, inclusive, muitos lançamentos no formato, sendo uma das principais tendências do mercado imobiliário em 2020.

Além disso, é essencial apostar na localização, na qualidade e na praticidade que o imóvel pode oferecer. Também é preciso analisar os diferenciais do produto, a exemplo de concierge 24 horas, loja de conveniência, opções de lazer, trabalho e espaços de convívio. Pensar nesses detalhes vai garantir com facilidade o aluguel de curta temporada.

Segurança no investimento

Investir no mercado imobiliário é, historicamente, muito estável, o que consequentemente traz mais segurança para você desfrutar de uma renda maior após a operação. Os imóveis são imunes à inflação e às instabilidades do mercado de ações, além de serem bens duráveis, que, inclusive, ultrapassam gerações. 

Os empreendimentos imobiliários também proporcionam vários modelos de negócio: venda, locação e, como vimos, o aluguel de curta temporada. Todos acabam gerando excelentes resultados de renda. Investir no mercado imobiliário está, sem dúvida, no portfólio de todo bom investidor, sobretudo em um momento pós-pandêmico, que apresenta desafios a todos. As boas condições para aquisição do ano de 2020 garantem, assim, um patrimônio seguro e lucrativo.

Portanto, as expectativas para o mercado imobiliário no segundo semestre deste ano são de retomada e de boas oportunidades para os investidores. E, nós, da Execute, queremos que você faça ótimos negócios. Compartilhe conosco as suas expectativas nos comentários e entre em contato para saber mais detalhes dos nossos empreendimentos!